quinta-feira, 26 de abril de 2012

Dúvida


Paulo Eduardo andava meio desanimado. Numa fase daquelas que não pegava nem resfriado. Quando já não tinha sequer esperanças, conheceu Maria Alice. Era linda, simpática, inteligente. Parecia feita por encomenda. Ficaram amigos imediatamente e logo estavam saindo.

Foram dias de glória. Acordava pensando nela. Dava bom dia aos passarinhos. Assoviava músicas do Chico. E nem o vizinho chato do duzentos e dois o tirava do sério. Na firma, todos já comentavam, invejosos de tamanha felicidade. Tudo ia tão bem que começou a ficar preocupado.

E tinha razão. Numa quinta-feira, que ela não pode sair, aconteceu. Era para ser um ingênuo happy hour com a turma da pelada. E tudo caminhava para isso. Até que Sabrina apareceu. Além de irmã de um amigo, ela era uma paixão platônica de Paulo Eduardo. Tão maravilhosa quanto Inalcançável. 

Ela nunca lhe dera bola, é claro. Sequer o notara até aquela noite. Mas havia algo diferente nele. Misterioso. Quando Paulo Eduardo percebeu o interesse da moça, até tremeu. Pensou em ir embora. Quis mudar de lugar. Mas era Sabrina, a mulher que tanto sonhou. E por mais que tentasse resistir, não conseguiria.

Não mesmo. Acabaram ficando. Nem se importou com os amigos. A beijou com urgência e desejo. Como se o mundo fosse acabar ali. Terminaram na casa dele. Com as roupas espalhadas pelo chão. E a consciência mais pesada do hemisfério sul.

As semanas seguintes foram uma tortura. A dúvida o corroía. Por mais que quisesse, do fundo do coração, ficar com Maria Alice, não conseguia ignorar Sabrina. Pensava nas duas com a mesma frequência. As amava com a mesma intensidade. Apesar de tão diferentes, elas o completavam.

Optou por decidir da maneira mais sensata possível: tomando um porre. No final, a única coisa que resolveu é que nunca mais beberia daquele jeito. Acabou empurrando com a barriga o quanto pode. Mas não conseguia ficar tranquilo. Tinha insônia, calafrios e até um princípio de úlcera. A maioria dos homens adoraria aquela situação, mas não Paulo Eduardo.

Talvez por isso mesmo, começou a ficar estranho. Mal-humorado. E elas notaram. Primeiro foi Sabrina. Bem ao seu estilo, simples e direta. Não queria mais. E pronto. Ele não teve nem tempo de ficar aliviado. Maria Alice também queria conversar. Com mais delicadeza, tomou a mesma decisão. Era o fim. 

Depois de tanto amor, acabou sozinho - e tremendamente aliviado.

2 Comments:

Anonymous #vácuo! said...

As mulheres sumiram
As companhias sumiram

8:01 PM  
Anonymous Anônimo said...

top [url=http://www.001casino.com/]free casino[/url] coincide the latest [url=http://www.realcazinoz.com/]online casino[/url] manumitted no store bonus at the chief [url=http://www.baywatchcasino.com/]online casino
[/url].

5:46 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home